A Inefável Enarmônica Semana de Arte Moderna

Por Edilson José de Almeida

Parece que foi ontem! Parece que é hoje! Parece que será amanhã! O parto foi difícil, pois Mário de Andrade já bradava nos versos que “Há uma gota de sangue em cada poema”, Bandeira vivificava a morte em “Cinzas das Horas” e Menotti, em linguagem única, trazia a tranquilidade do caboclo “Juca Mulato”. Os três precursores rompem a cronologia artística do além-mar e de mãos dadas com a Anita Malfati, quase que a fórceps, expõem a concepção da verdadeira arte brasileira.

Tudo nada planejado e ao mesmo tempo naturalmente pensada para mudar o nosso olhar para o mundo. Os deuses queriam e assim proporcionaram a trombada intelectual entre os Andrades, Mário e Oswald. Fundiram-se e, em fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo, embasbacaram a burguesia paulistana, que até então, ditava as laudas da arte no Brasil.

O horror exposto nos corredores e salas rasga as cortinas dos conceitos e de forma extravagante abre as janelas para a luz escura da poesia, para a (des)armonia da música, para as rupturas bem-feitas das telas malfeitas... bem feito para a nova arte (re)nascida. E os jovens ignorantes, nos dois sentidos, sentem ou ressentem o novo, talvez por serem novos, talvez por serem naturalmente rebeldes e acostumados com as vendas do passado burguês dos vossos berços de ouro. Discordam e trazem a desgraça ao todo na graça do desconhecido. Mas é assim que a arte se amplia, multiplica, cultua, cultiva a cultura e cessa o frêmito dos cegos antimodernistas.

Inicialmente, ela ofusca a visão dos ignorantes, mas aos poucos, anos depois, quase nada se passa, feito colírio, liberta-os do calabouço do passado, dessacraliza e já não causa mais estranhamento o estranho.

Tudo muda, as vanguardas inauguram o início desse futuro próximo que urge modernizar a velha arte. É lícito mostrar o ilícito, é puro mostrar o impuro, é rico mostrar a miséria, é belo mostrar o feio, é lógico mostrar o ilógico... é... não é...

A Semana de Arte Moderna instituiu a legalidade do questionamento, mas não é irresponsável no conceito das artes. Ela avaliza a essência dos artistas em todas as instâncias e respeita as criações como receituários primordiais para o tratamento das doenças que corroem as mazelas humanas.

A Arte é sangue vibrante que corre nas veias do tempo e irriga os corações anormais daqueles que transcendem a realidade. É inefável! É enarmônica! Então, viva a harmonia da desarmonia!


Edilson José de Almeida

09/03/22

Postar um comentário

10 Comentários

  1. Semana de 22 deixou a Arte do Brasil ainda mais significativa e bonita. Parabéns, Professor Edilson. Ótimo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns.... Isso é arte, ótimo trabalho... Abraço ✌️

    ResponderExcluir
  3. A burguesia estava tão armada que Villa Lobos subiu ao palco calçando em um pé sapato e no outro um chinelo e foi vaiado. Pensaram que era um afronto, mas depois foi explicado que o artista estava com um calo no pé rsrs. Ótimo texto, professor! Enriquecedor! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Professor Edilson, texto muito bem escrito. Precisa ser compartilhado com todos. Deu vontade de ler mais e mais.

    ResponderExcluir
  5. A semana de arte moderna foi o início da ruptura com os modelos tradicionais, lá abriu as portas para liberdade artística que temos hoje. Parabéns professor Edilson por nós trazer a lembrança de um momento tão importante e tão atual nos nossos dias.

    ResponderExcluir
  6. sensacional! parabéns irmão!!!

    ResponderExcluir